Geciano Vieira
Esporte


Junior Mariano
Criminalística


Deoclecio Neto
Religião & Politica


Rey Mendes
Literatura


Carlos Eduardo
Interior


Major Elizete
Ponto de vista


Elpídio Jr
Primeira Capital


Jackson Coêlho
Jornalismo de rua


Valdete Santos
Fé em foco

“Sirvo para sexo, mas não para namoro?”,provoca atriz pornô brasileira

A paranaense Paula Rodrigues, 22, está em busca de autonomia financeira. Para isso, ela trabalha como camgirl desde abril. Em setembro, também estrelou seu primeiro filme adulto. O dinheiro é usado para bancar os estudos e a vida, que não foi interrompida pela profissão. Ela gosta de sair, se apaixonar. Apesar disso, nos últimos meses, vive romances pela metade e encontros que se transformaram em verdadeiras demonstrações de machismo. As informações são do Universa.

“Gente do céu, arrumar um boy que aceite sua profissão é um cão”, escreveu no Twitter. A publicação feita há 10 dias gerou um debate sobre o machismo da vida real que atinge quem se dedica a atender a fantasias sexuais.

“Já dei match no Tinder com caras que me disseram que não iriam se relacionar comigo devido ao meu trabalho. Ao mesmo tempo, me encheram o saco para que eu enviasse vídeos eróticos para eles”, diz para a Universa. “Ou seja: para a punheta, eu sirvo; para um relacionamento, não?”.

Imagem: ReproduçãoInício na carreira

O início da carreira de Paula é semelhante ao de dezenas de camgirls e profissionais do ramo adulto. Em um momento de mescla de autonomia sexual e busca por independência financeira, mulheres investem na carreira como camgirl em busca de renda e autonomia. Foi o que aconteceu com ela.

Antes de estrelar no mercado adulto, Paula já cursava estética e cosmética em uma universidade no Paraná. Inspirada em vídeos no YouTube, começou a vender pacotes de imagens sensuais e a atender pedidos à frente da webcam. Um kit com um vídeo de 15 minutos pode sair por R$ 70. Segundo ela, dá para tirar cerca de R$ 1.000 por mês.

Um dos receios vividos antes do primeiro filme pornô era sofrer o estigma, comum e persecutório, que cai sobre as profissionais do gênero, como Mia Khalifa. A libanesa tornou-se um dos maiores sucessos pornográficos norte-americanos ao estrelar filmes como o que usa um hijab. Hoje, porém ela encontra dificuldades para retomar a vida.

“A Mia não se sente confortável com a vida dela. Fiquei semanas pensando nisso: eu já tinha me exposto em vídeos e fotos. Não tenho que ter vergonha da minha sexualidade. É uma representação natural, feita com minha vontade”, diz.

A descoberta da sexualidade aconteceu para Paula aos 19 anos. Nunca teve problemas sobre o assunto. O primeiro namorado, porém, reprimia seu desejo em tirar fotos sensuais. Os que vieram depois também não se mostraram abertos à ideia.

Em outro encontro, ela conta ter conhecido um cara no Tinder e contou sobre a profissão. “Ele começou um papo religioso. No fim, me disse que eu era uma desvirtuada.”.

Uma parte dos caras tentou estrelar filmes pornográficos com ela, mas voltaram atrás. Um deles chegou a ameaçá-la de processo se as imagens, como ele havia pedido e fantasiado durante a paquera, fossem divulgadas. “Vivo num ciclo dos mesmos assuntos, desculpas e papos mentirosos um atrás do outro”, diz.

“É uma profissão como qualquer outra. Quem vai me sustentar se eu abandonar o meu trabalho? Os homens assistem à pornografia, mas acham um absurdo que uma mulher deles trabalhe com isso. É hipocrisia demais”, diz.

Redator

Formado em Ciência da Computação, Jornalista, Designe, Casado, 35 anos. Redator Geral do Site Colônia News, Coordenador de propaganda e estrategista Politico. Whatsapp: 89 99439 - 9313

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *